Pais & Filhos Piedosos

– O que mais igreja precisa –

Tradicionalmente hoje comemoramos o Dia dos Pais. Mas, hoje não é o Dia do Senhor? Sim, claro. Entretanto, é possível guardar o Dia Santo e ao mesmo tempo utilizá-lo para render graças ao Senhor pela grande bênção de nos ter dado, pais.

Arthur W Pink certa vez escreveu que: Uma das mais infelizes e trágicas características de nossa civilização é a excessiva desobediência aos pais da parte dos filhos, quando menores, e a falta de reverência e respeito, quando grandes. Infelizmente, isto se evidencia de muitas maneiras inclusive em famílias cristãs…. Na maioria dos casos, os filhos são menos culpados do que seus pais. A falta de honra aos pais, onde quer que a achemos, deve-se, em grande medida, aos pais afastarem-se do padrão das Escrituras. Atualmente, o pai imagina que cumpre suas obrigações ao fornecer alimento e vestuário para os filhos e, ocasionalmente, ao agir como um tipo de policial de moralidade. Com muita frequência, a mãe se contenta em desempenhar a função de uma criada doméstica, tornando-se escrava dos filhos, realizando várias tarefas que estes poderiam fazer, para deixá-los livres em atividades frívolas, ao invés de treiná-los a serem pessoas úteis. A consequência tem sido que o lar, o qual deveria ser, por causa de sua ordem, santidade e amor, uma miniatura do céu, degenerou-se em ‘um ponto de parada para o dia e um estacionamento para a noite’, conforme alguém sucintamente afirmou” (A Word to Parents).

O que a Bíblia nos ensina sobre o relacionamento entre pais e filhos? A resposta é: muita coisa! O apóstolo Paulo ensinou aos Efésios sobre esse assunto (Leia Efésios 6.1-4). Ele acreditava que entre aqueles que ouviriam a leitura de sua carta nas várias igrejas estariam os pais acompanhados de seus filhos. Por quê? (1) Porque eles são parte importante do Pacto (Gn 17.7; At 2.38, 39). (2) Porque o Senhor Jesus os ama. Ele mesmo disse que dos pequeninos é o reino dos céus (Mc 10.13-16).

UMA PALAVRA AOS FILHOS (6.1-3)

1. Uma mensagem simples e direta aos filhos (6.1). Eles devem obedecer a seus pais, e esta obediência deve ser motivada não somente pelo amor, gratidão e estima por eles. Embora tais motivações sejam muito importantes, a obediência deve ser “no Senhor, porque isto é justo”. Em outras palavras, porque eu amo ao meu Senhor Jesus Cristo, eu obedeço àqueles que ele escolheu para me pastorear. A ordem bíblica para a harmonia dos relacionamentos familiares é sempre a mesma. O meu amor e devoção a Cristo irá moldar o meu amor e honra para com meus pais.

2. Paulo fortalece o seu ensino por meio de uma referência à Lei de Deus (6.2, 3). Ele lembra aos filhos o 5º Mandamento para lhes explicar que honrar pai e mãe significa:

a) Amar. A Bíblia nos ensina que o amor e a obediência caminham juntos. O filho demonstra verdadeiro amor para com seus pais quando os honra.

b) Aceitar suas determinações com obediência. O amor é fruto da graça de Deus em nossas vidas, enquanto a obediência é a resposta de gratidão a esse amor. A submissão que um filho deve aos seus pais quando exercida no Senhor se fundamentará sempre em Deus e em sua Palavra.

c) Mostrar um espírito de respeito e consideração. O filho deve sempre respeitar seus pais, nunca os envergonhar ou zombar de suas fraquezas e deficiências.

d) Demonstrar tudo isso tanto para o pai como para a mãe, porque ambos são iguais em autoridade para com seus filhos. Diante de Deus, amor, obediência, respeito e consideração são iguais quando um filho olha para seu pai e sua mãe.

Por que este é um mandamento tão importante? Porque Deus promete longevidade àqueles que honram a seus pais. A resposta se acha na promessa ligada a ele: “para que tudo te corra bem e tenhas longa vida sobre a terra”. O que acontece quando fazemos o contrário? Apresento pelo menos algumas consequências:

1. A Desobediência aos pais indica uma vida indisciplinada.

2. Conduz ao vício e a destruição.

3. Associado a outros pecados semelhantes, diminui a expectativa de vida. O grande número de mortes entre os jovens brasileiros é uma terrível prova disso.

Filhos indisciplinados representam a ruína para a família, para a igreja, para uma nação. A grande causa da desestruturação familiar, crise de autoridade na igreja e toda quebra de valores morais e éticos que enfrentamos em nosso país resultam de uma geração de filhos desobedientes e indisciplinados. Porque todos os problemas começam em casa, Paulo continua sua admoestação se dirigindo agora aos pais.

UMA ADMOESTAÇÃO AOS PAIS (6.4)

1. Paulo também apresenta uma orientação aos pais (6.4). Ele se volta em particular para os pais (embora com aplicação também as mães) e diz, “… não provoqueis vossos filhos à ira”. Paulo se dirige especialmente aos pais por duas razões: (1) porque como pastores de seus lares são responsáveis pela educação de seus filhos. (2) porque na maioria dos casos, os pais necessitam muito mais do que as mães desta admoestação bíblica. Na maioria das vezes, nós pais somos os principais culpados por provocar a ira no coração dos nossos filhos. Como assim?

a) Quando protegemos excessivamente. Nada em excesso faz bem. Superproteger um filho irá estragá-lo. Não são poucos os que dizem: “Ah! Se meus pais não tivessem me protegido tanto, eu saberia andar de bicicleta ou nadar!”.

b) Quando preferimos mais um filho a outro. O exemplo de Isaque e Rebeca servem como ilustração. Ele favoreceu mais a Esaú; ela preferiu mais a Jacó. O resultado? Você já sabe não é? (Confira em Gn 25.28).

c) Quando desestimulamos e oprimimos. Nós somos muito bons em corrigir, mas duros e frios em reconhecer as coisas boas que nossos filhos fazem. Conheço um pai (que se diz cristão) que não aceita que seus filhos cheguem em casa com uma nota abaixo de 9,5. Seus filhos vivem oprimidos e desestimulados. Definitivamente, isso não é pastorear o coração dos filhos segundo Efésios 6.

d) Quando somos negligentes. No conflito entre Davi e seu filho Absalão, quem você acha que falhou primeiro? A falha era somente de Absalão? Não foi também Davi parcialmente culpado por negligenciar seu filho (1 Sm 14.13, 28)?

e) Quando usamos palavras ásperas e violência física direta. A disciplina física quando necessária deve ser feita em amor, nunca com violência. Crueldade e palavras ásperas cheias de humilhação são pecaminosas e criminosas.

2. Paulo conclui seu ensino confrontando o aspecto positivo com o negativo. Ele diz que ao invés de provocar em nossos filhos à ira devemos educá-los “… na disciplina e admoestação do Senhor”. O que aprendemos com isso?

a) Que antes de sustentarmos os nossos filhos com comida, boa educação e lazer, nossa obrigação é educá-los e discipliná-los para que temam ao Senhor. A provisão espiritual deve vir antes da material. Se jogamos mais bola ou vídeo game do que oramos e lemos a Bíblia com nossos filhos; se trocamos o Dia do Senhor pela praia, ou Shopping Center, estamos invertendo as prioridades.

b) Que a educação dos nossos filhos deve ser cheia de amor e brandura. Contudo, isso não exclui a firmeza (ver Hb 12.11). “Disciplinar” diz respeito especialmente ao que se faz ao filho, enquanto, “admoestar” envolve primariamente o que se diz ao filho. Admoestar é educar com eficiência por meio da comunicação, seja ela ensino, advertência ou estímulo.

c) Toda a disciplina e admoestação ao filho devem ser “do Senhor”, ou seja, toda a atmosfera em que a educação é dada deve ser tal que o Senhor possa colocar sobre ela sua benção aprovadora.

CONCLUSÕES PRÁTICAS

(1) Uma palavra aos filhos: Honrem seus pais como vocês honram ao Senhor. Amem a seus pais como vocês amam ao Senhor. Obedeçam a seus pais como vocês obedecem ao Senhor. Se fizerem isso os problemas de comunicação serão superados.

(2) Uma palavra aos pais: Cuidem para que seus filhos sejam criados com amor segundo a Palavra de Cristo. Exercitem a boa comunicação. Disciplinem e admoestem com um santo desejo de que eles sejam crentes e não se percam. O próprio coração da educação cristã é conduzir o coração da criança ao coração de Seu Salvador.

Em Cristo, nosso Senhor,

Rev. Alan Kleber

O que fazemos no Dia do Senhor?

por Rev. Alan Kleber

Qual é o propósito da assembleia do Dia do Senhor? Por que vamos a um culto na igreja no domingo? A resposta a estas perguntas-chave ajudará a explicar por que certas palavras e ações são incluídas na adoração do povo pactual e determinará também a maneira como o culto é ordenado do começo ao fim. […]

Por que usamos Credos e Confissões?

por Rev. Alan Kleber

Pedro confessou Jesus como o Cristo. Nosso Senhor Jesus respondeu que sua igreja em todas as épocas seria construída sobre esta confissão. A verdade mais importante confessada foi Cristo, que é o único Filho do Deus vivo: “Mas vós, continuou ele [Jesus], quem dizeis que eu sou? Respondendo Simão Pedro, disse: Tu és o Cristo, […]

Reflexões sobre a morte de nosso filho

por Rev. Alan Kleber

Por Chad Bird No sábado, 16 de julho, Luke Gabriel Bird morreu em um acidente de caminhada no Chile. Ele era um aspirante na Academia Naval dos Estados Unidos. Ele é nosso filho. Aqui estão algumas reflexões sobre sua vida, sua fé e seu Senhor. No sábado, 16 de julho, Luke Gabriel Bird morreu em […]

Lidando com a concupiscência

por Rev. Alan Kleber

Dr. Joseph Pipa Jr. Eles são tão próximos quanto a nossa pele, o conjunto de concupiscências descrita pelo apóstolo João: a concupiscência da carne, a concupiscência dos olhos e a soberba da vida (1 Jo 2.16). Esses anseios desordenados e proibidos do pecador são a fonte do pecado, como Tiago aponta ao ensinar que Deus […]

A Mesa da Comunhão no Protestantismo Clássico Reformado

por Rev. Alan Kleber

Após a Reforma Protestante, o tema de selar ou confirmar o pacto quanto ao entendimento da Ceia do Senhor seguiu o curso da história do povo pactual entre os puritanos da Nova Inglaterra e os presbiterianos da América ao longo dos séculos 17 a 19. Quer a comunhão fosse administrada anualmente, como entre alguns escoceses, […]

O socorro do crente (Sl 121)

por iparacaju

Amada congregação, Na pastoral passada refletimos sobre o salmo 120, o qual abre os salmos conhecidos como “Cânticos de peregrinação”. Como vimos na pastoral anterior, os cânticos de peregrinação são compostos por diferentes tipos de salmos, pois entre eles estão os de lamentação individual (Salmo 120), e outros tipos como os de confiança (Salmo 121) […]

O Senhor ouve o clamor de seu povo

por iparacaju

(Salmo 120) O salmo 120 inicia um grupo de salmos conhecidos como “cânticos de peregrinação” (Sl 120-134). Essa peregrinação se refere a jornada que as tribos de Israel faziam em direção a cidade de Jerusalém para adorar o Senhor. Nesses Cânticos de peregrinação encontram-se os de lamentação individual e coletiva, os de confiança, os hinos […]

Vivendo Juntos O Pacto de Vida

por Rev. Alan Kleber

Uma das coisas que acontece quando você se muda para ambientes reformados ou presbiterianos é que você começa a ouvir muito a palavra pacto ou aliança. E de fato isso é real pois, as Escrituras são pactuais do começo ao fim. O Antigo Testamento é na verdade o Antigo Pacto, e o Novo Testamento é […]

Preparando-se para o Dia das Mães

por Rev. Alan Kleber

Um de nossos costumes culturais homenageia nossas mães uma vez por ano no conhecido Dia das Mães. Sabemos que não há sanção divina para o dia específico escolhido, mas o tema da observância é exigido nos Dez Mandamentos, e o apóstolo Paulo nos diz que este é o primeiro mandamento com uma promessa – “para […]

O Senhor da Nova Criação

por Rev. Alan Kleber

Introdução Junto com Efésios, a epístola aos Colossenses é um daqueles lugares nas Escrituras onde você tem uma densidade muito maior de verdade. A letra em Colossenses não é mais verdadeira do que outras passagens das Escrituras, mas certamente há mais verdade por centímetro quadrado nesta carta o que nos fará retornar com muitas visitas. […]

A Autoridade da Ressurreição

por Rev. Alan Kleber

Estamos em 17 de abril, Domingo da Ressurreição de 2022, anno Domini, ano de nosso Senhor. Este é o dia que o Senhor fez; nos alegremos e nos regozijemos com isso! Quando um homem volta dos mortos, tudo em toda a história deve eventualmente centrar-se nele. Quando um homem é executado pela autoridade mais poderosa […]

Um Tempo para Construir

por iparacaju

Amada Congregação, Pela graça de Deus, na última quinta-feira, dia 07 de abril, testemunhamos o início de um novo Ponto de Pregação no Conjunto Orlando Dantas. Nossa primeira reunião contou com a presença 40 pessoas, entre membros e convidados, e aconteceu na residência do casal Rusivaldo e Iomar Santos, membros da nossa igreja. Ali pudemos […]