Os Quatro tipos de Idolatria

Relevo danificado na Catedral de Utrecht, durante a revolta iconoclasta em 1566, na Holanda.

O puritano Richard Baxter (1615-1691) disse certa vez:

“É simplesmente incrível quanto terreno o diabo toma uma vez que ele faz do pecado uma questão de controvérsia: quando alguns têm uma mente e alguns outra; quando você é de uma opinião e eu sou de outra”.

Em nenhum lugar isso é mais aparente do que quando discutimos o uso de imagens na oração. Recebemos ordens diretas sobre isso, mas as ordens vão contra algo que está no fundo do coração humano, e por isso se tornou controverso.

O apóstolo João adverte seus filhos para ficarem longe dos ídolos, e ele faz isso porque (presumivelmente) era possível que os verdadeiros cristãos não quisessem fazê-lo:

“Filhinhos, guardai-vos dos ídolos” (1 João 5:21).

Sendo assim, devemos distinguir os vários tipos de idolatria. Devemos entender que idolatria é como colocar uma coisa criada onde apenas o Deus incriado deveria estar. Isso claramente acontece sempre que imagens são usadas na oração, mas as imagens não necessariamente precisam estar envolvidas. A idolatria é mais sutil do que isso.

1. Idolatria sem imagens. O apóstolo Paulo nos diz em um aparte que a avareza é idolatria:

“Fazei, pois, morrer a vossa natureza terrena: prostituição, impureza, paixão lasciva, desejo maligno e a avareza, que é idolatria”(Colossenses 3:5).

Isso significa que os objetos do desejo cobiçoso de um homem passaram a ocupar o lugar de devoção em seu coração que somente Deus deveria ocupar. Não achamos que isso aconteça apenas se o homem avarento começar a acender velas devotas na frente de sua conta corrente.

O fato de essa idolatria ser uma “igreja inferior” não a impede de ser idolatria. E dada a natureza da cobiça, podemos ver que a idolatria pode se estender a qualquer coisa – se o meu próximo pode ter alguma coisa em vez de mim, eu posso cobiçá-la (Êxodo 20:17). E quando eu faço isso é idolatria.

Os ídolos do coração são realmente difíceis de esmagar. O coração é enganosamente perverso e está totalmente à altura do desafio, por exemplo, de transformar até mesmo a iconoclastia (rejeição à imagens religiosas) em um ídolo. Quando isso acontece, o ídolo olha de soslaio, de sua estante intelectual no templo da razão, como se dissesse: “Pegue-me agora”.

Esse tipo de idolatria gananciosa não precisa de imagens, mas não é de surpreender que ainda assim goste delas. Não se debruçam os gananciosos sobre catálogos cheios de desejos? Uma mulher piedosa olhando para um catálogo faz apenas compras. Uma mulher avarenta debruçada sobre um catálogo está adorando.

Aliás, é por isso que o uso da pornografia é claramente idólatra. A cobiça está bem aí, ela é idolatria. E qualquer que seja o ícone em que você clicar em sua área de trabalho, deve ser a imagem de um homem se curvando diante de uma Astarote rechonchuda.

2. Idolatria como tráfico de falsos deuses. A Escritura nos ensina claramente que também é idolatria adorar falsos deuses (que realmente existem) por meio imagens:

“Não vos virareis para os ídolos, nem vos fareis deuses de fundição. Eu sou o SENHOR, vosso Deus” (Levítico 19:4).

Nesse caso, o problema não são as imagens, o problema é o que elas representam. Os próprios deuses não se importam com essas imagens; eles as encorajam. As imagens realmente representam o falso.

No vocabulário bíblico, deuses falsos não são a mesma coisa que deuses inexistentes. Havia realidades espirituais por trás dessas imagens.

“No tocante à comida sacrificada a ídolos, sabemos que o ídolo, de si mesmo, nada é no mundo e que não há senão um só Deus. Porque, ainda que há também alguns que se chamem deuses, quer no céu ou sobre a terra, como há muitos deuses e muitos senhores, todavia, para nós há um só Deus, o Pai, de quem são todas as coisas e para quem existimos; e um só Senhor, Jesus Cristo, pelo qual são todas as coisas, e nós também, por ele” (1 Coríntios 8:4-6).

O apóstolo Paulo está dizendo que para os crentes há apenas um Deus. Ele reconhece que existem “muitos deuses e muitos senhores” por aí, mas na linguagem bíblica, esses são demônios, não seres divinos:

“Antes, digo que as coisas que eles sacrificam, é a demônios que as sacrificam e não a Deus; e eu não quero que vos torneis associados aos demônios” (1 Coríntios 10:20).

Demônios não são inexistentes. Ao mesmo tempo, eles não são o que dizem ser. O exemplo mais claro disso é quando Paulo expulsa o espírito de uma menina em Filipos (Atos 16:16). O grego original diz que ela estava possuída pelo espírito de uma Python (πυθων), tornando-a devota do deus Apolo. Ou, como diria um cristão, possuída por demônios.

Com tamanha idolatria, as imagens não são rejeitadas por serem imprecisas, mas por serem representações precisas de deuses terríveis. Para o idólatra, elas são precisas porque abrem o caminho para “realidades espirituais”, o que realmente fazem. Para o crente fiel, elas são precisas porque são madeira e pedra impotentes, representando com precisão a impotência final das realidades espirituais por trás delas:

“Tais árvores servem ao homem para queimar; com parte de sua madeira se aquenta e coze o pão; e também faz um deus e se prostra diante dele, esculpe uma imagem e se ajoelha diante dela” (Is. 44:15).

“Têm boca e não falam; têm olhos e não vêem; têm ouvidos e não ouvem; têm nariz e não cheiram. Suas mãos não apalpam; seus pés não andam; som nenhum lhes sai da garganta. Tornem-se semelhantes a eles os que os fazem e quantos neles confiam” (Sl. 115:5-8).

3. Idolatria como superstição. Não quero gastar muito tempo aqui, porque esta não é uma categoria bíblica significativa. Mas, suponha que alguém inventasse um pequeno deus “Papelão” ou usasse uma estatueta de Garrafa Pet para representar o “espírito da reciclagem” ou algo assim em suas meditações matinais no templo da sustentabilidade. Essas coisas não teriam realidades espirituais por trás delas e seriam apenas tolas. Entretanto, elas ainda seriam idolatria – no mínimo, seriam idolatria em um primeiro senso das coisas.

4. Idolatria como adoração ao verdadeiro Deus por meio de imagens. Observe o que Arão diz quando convoca um festival em torno do bezerro de ouro.

“Este, recebendo-as das suas mãos, trabalhou o ouro com buril e fez dele um bezerro fundido. Então, disseram: São estes, ó Israel, os teus deuses, que te tiraram da terra do Egito. Arão, vendo isso, edificou um altar diante dele e, apregoando, disse: Amanhã, será festa ao SENHOR. No dia seguinte, madrugaram, e ofereceram holocaustos, e trouxeram ofertas pacíficas; e o povo assentou-se para comer e beber e levantou-se para divertir-se” (Êxodo 32:4-6).

Assim, podemos distinguir a adoração de falsos deuses com imagens verdadeiras (#2) da adoração ao verdadeiro Deus com imagens falsas (#4). Mas, esta não é uma distinção entre idolatria e não-idolatria. A Bíblia condena as duas práticas, e nos mesmos termos. Quando o povo de Israel foi proibido de fazer imagens, eles foram proibidos de fazer imagens do Deus verdadeiro tanto quanto qualquer outra coisa na criação a que pudessem se curvar em nome de um deus falso:

“Então, o SENHOR vos falou do meio do fogo; a voz das palavras ouvistes; porém, além da voz, não vistes aparência nenhuma” (Deuteronômio 4:12).

Sabemos disso porque, quando o apóstolo Paulo discute o incidente do bezerro de ouro, ele chama essa adoração ao Senhor de idolatria.

“Não vos façais, pois, idólatras, como alguns deles; porquanto está escrito: O povo assentou-se para comer e beber e levantou-se para divertir-se. E não pratiquemos imoralidade, como alguns deles o fizeram, e caíram, num só dia, vinte e três mil” (1 Coríntios 10:7-8).

Assim, o apóstolo Paulo condena uma certa forma de adoração ao Senhor Deus como idolatria, pela presença do bezerro de ouro, e não pela ausência de uma invocação ao nome do Senhor. Isso significa que as pessoas que adoram Jesus Cristo ainda hoje, o verdadeiro Deus, por meio de imagens, ainda são culpadas de idolatria.

Nossa presença aqui diante do Senhor Jesus nos reivindica temor e tremor. Por estarmos aqui, não devemos nos tornar idólatras, como alguns dos judeus fizeram no deserto. Não devemos comer e beber na mesa de outro deus e depois nos levantar para brincar.

Portanto, guardemos nossos corações. Ao celebrarmos perante o Senhor, ao aprendermos a regozijar-nos perante Ele, ao aprendermos a sugar a medula dos ossos, sejamos ao mesmo tempo vigilantes. Freqüentemente, não sabemos de que tipo de espírito somos, e quando nos levantamos para brincar, se ele se desviar para a fornicação, lembremo-nos dos vinte e três mil que caíram. Deus nos chama para celebrar diante dEle, mas isso deve ser feito na beleza da sua santidade.

Nele, que é fogo consumidor,

Rev. Alan Kleber

O que fazemos no Dia do Senhor?

por Rev. Alan Kleber

Qual é o propósito da assembleia do Dia do Senhor? Por que vamos a um culto na igreja no domingo? A resposta a estas perguntas-chave ajudará a explicar por que certas palavras e ações são incluídas na adoração do povo pactual e determinará também a maneira como o culto é ordenado do começo ao fim. […]

Por que usamos Credos e Confissões?

por Rev. Alan Kleber

Pedro confessou Jesus como o Cristo. Nosso Senhor Jesus respondeu que sua igreja em todas as épocas seria construída sobre esta confissão. A verdade mais importante confessada foi Cristo, que é o único Filho do Deus vivo: “Mas vós, continuou ele [Jesus], quem dizeis que eu sou? Respondendo Simão Pedro, disse: Tu és o Cristo, […]

Reflexões sobre a morte de nosso filho

por Rev. Alan Kleber

Por Chad Bird No sábado, 16 de julho, Luke Gabriel Bird morreu em um acidente de caminhada no Chile. Ele era um aspirante na Academia Naval dos Estados Unidos. Ele é nosso filho. Aqui estão algumas reflexões sobre sua vida, sua fé e seu Senhor. No sábado, 16 de julho, Luke Gabriel Bird morreu em […]

Lidando com a concupiscência

por Rev. Alan Kleber

Dr. Joseph Pipa Jr. Eles são tão próximos quanto a nossa pele, o conjunto de concupiscências descrita pelo apóstolo João: a concupiscência da carne, a concupiscência dos olhos e a soberba da vida (1 Jo 2.16). Esses anseios desordenados e proibidos do pecador são a fonte do pecado, como Tiago aponta ao ensinar que Deus […]

A Mesa da Comunhão no Protestantismo Clássico Reformado

por Rev. Alan Kleber

Após a Reforma Protestante, o tema de selar ou confirmar o pacto quanto ao entendimento da Ceia do Senhor seguiu o curso da história do povo pactual entre os puritanos da Nova Inglaterra e os presbiterianos da América ao longo dos séculos 17 a 19. Quer a comunhão fosse administrada anualmente, como entre alguns escoceses, […]

O socorro do crente (Sl 121)

por iparacaju

Amada congregação, Na pastoral passada refletimos sobre o salmo 120, o qual abre os salmos conhecidos como “Cânticos de peregrinação”. Como vimos na pastoral anterior, os cânticos de peregrinação são compostos por diferentes tipos de salmos, pois entre eles estão os de lamentação individual (Salmo 120), e outros tipos como os de confiança (Salmo 121) […]

O Senhor ouve o clamor de seu povo

por iparacaju

(Salmo 120) O salmo 120 inicia um grupo de salmos conhecidos como “cânticos de peregrinação” (Sl 120-134). Essa peregrinação se refere a jornada que as tribos de Israel faziam em direção a cidade de Jerusalém para adorar o Senhor. Nesses Cânticos de peregrinação encontram-se os de lamentação individual e coletiva, os de confiança, os hinos […]

Vivendo Juntos O Pacto de Vida

por Rev. Alan Kleber

Uma das coisas que acontece quando você se muda para ambientes reformados ou presbiterianos é que você começa a ouvir muito a palavra pacto ou aliança. E de fato isso é real pois, as Escrituras são pactuais do começo ao fim. O Antigo Testamento é na verdade o Antigo Pacto, e o Novo Testamento é […]

Preparando-se para o Dia das Mães

por Rev. Alan Kleber

Um de nossos costumes culturais homenageia nossas mães uma vez por ano no conhecido Dia das Mães. Sabemos que não há sanção divina para o dia específico escolhido, mas o tema da observância é exigido nos Dez Mandamentos, e o apóstolo Paulo nos diz que este é o primeiro mandamento com uma promessa – “para […]

O Senhor da Nova Criação

por Rev. Alan Kleber

Introdução Junto com Efésios, a epístola aos Colossenses é um daqueles lugares nas Escrituras onde você tem uma densidade muito maior de verdade. A letra em Colossenses não é mais verdadeira do que outras passagens das Escrituras, mas certamente há mais verdade por centímetro quadrado nesta carta o que nos fará retornar com muitas visitas. […]

A Autoridade da Ressurreição

por Rev. Alan Kleber

Estamos em 17 de abril, Domingo da Ressurreição de 2022, anno Domini, ano de nosso Senhor. Este é o dia que o Senhor fez; nos alegremos e nos regozijemos com isso! Quando um homem volta dos mortos, tudo em toda a história deve eventualmente centrar-se nele. Quando um homem é executado pela autoridade mais poderosa […]

Um Tempo para Construir

por iparacaju

Amada Congregação, Pela graça de Deus, na última quinta-feira, dia 07 de abril, testemunhamos o início de um novo Ponto de Pregação no Conjunto Orlando Dantas. Nossa primeira reunião contou com a presença 40 pessoas, entre membros e convidados, e aconteceu na residência do casal Rusivaldo e Iomar Santos, membros da nossa igreja. Ali pudemos […]