O que a adoração de fato realiza?

Em nossa adoração ascendemos aos lugares celestiais e lá nos encontramos com nosso Deus (Hebreus 12.22). Porém, essa adoração celestial não é algo que de alguma forma fugiu com medo do inimigo na terra. Ao contrário disso, como o livro do Apocalipse nos revela com grande riqueza de detalhes, a adoração dos santos no céu realiza os julgamentos de Deus na terra. Os vinte e quatro anciãos adoram a Deus no céu (Apocalipse 4.10), e os sete selos são abertos no céu (Apocalipse 5.5). Contudo, isso não deixa a terra intocada ou inalterada. O que acontece no céu impulsiona o que ocorre na terra.

Portanto, se desejamos nos envolver e lutar na guerra cultural, temos que lutar do lugar mais alto. E o único terreno elevado do qual podemos lutar com sucesso é o terreno elevado do Céu, onde nosso Senhor Jesus está sentado à direita de Deus.

O texto

3 Porque, embora andando na carne, não militamos segundo a carne.

4 Porque as armas da nossa milícia não são carnais, e sim poderosas em Deus, para destruir fortalezas, anulando nós sofismas

5 e toda altivez que se levante contra o conhecimento de Deus, e levando cativo todo pensamento à obediência de Cristo.

2 Coríntios 10.3-5

Resumo do texto

O apóstolo Paulo diz aos coríntios que ainda andamos na carne, mas não conduzimos nossa guerra de acordo com a carne (v. 3). Nossas vidas ainda são carnais sem serem mundanas. Esta é a diferença entre estar no mundo e ser do mundo. O fato das as armas de nossa milícia não serem carnais não as torna etéreas, impotentes, mas, o inverso. Elas são poderosas em Deus na derrubada das fortalezas do diabo (v. 4). O homem incrédulo ergue duas coisas contra o conhecimento de Deus, e essas duas coisas são “sofismas” e “toda altivez”. Estes sempre se exaltam, mas as armas da nossa milícia os derrubam e os levam cativos (v. 5). E a guerra é descrita como total – estamos engajados em levar cada pensamento cativo à obediência de Cristo.

O que isso tem a ver com nossa adoração?

Em primeiro lugar, notemos que o texto expressamente afirma que não cumprimos essa missão por meio de armas humanas. Uma das coisas que perturbam os secularistas da nossa cidade é que eles nos ouvem dizer coisas como “tudo para Cristo, por toda a vida, por todo o sempre”. Eles então acreditam que queremos colocar uma fileira de obstáculos em nossa cidade e começar a ditar termos e leis como se fôssemos o Talibã de Aracaju. No entanto, quando estamos falando sobre essas coisas não nos referimos a uma guerra sangrenta contra os homens, mas de uma guerra espiritual. Não obstante, a guerra espiritual tem consequências em tempo real. A guerra espiritual não é uma guerra etérea, ou alguma forma de guerra de faz de conta. Ela existe e está ocorrendo nesse momento enquanto escrevo.

Segundo, sabemos que Jesus Cristo ascendeu aos lugares celestiais, à corte do Ancião de Dias, onde lhe foi dado o domínio de todo o universo (Daniel 7:13-14). Ele comprou todas as nações dos homens com seu próprio sangue, e Ele pretende conquistá-las (Salmos 2.7-8). Ele disse a seus discípulos que havia recebido toda autoridade no Céu e na terra, e que por essa razão eles deveriam se espalhar pelo mundo e discipular todas as nações da terra (Mateus 28.18-20). Isso incluiria plantar igrejas, os centros de adoração.

Em terceiro lugar, nossos cultos são uma celebração semanal daquela grande coroação que aconteceu há dois mil anos. E as celebrações da coroação sempre trazem problemas para todos os pretendentes ao trono. Foi o que Adonias descobriu para seu desalento. Sua festa de coroação foi bastante frustrada e ofuscada pela coroação do verdadeiro rei de Israel:

“Zadoque, o sacerdote, tomou do tabernáculo o chifre do azeite e ungiu a Salomão; tocaram a trombeta, e todo o povo exclamou: Viva o rei Salomão! Após ele, subiu todo o povo, tocando gaitas e alegrando-se com grande alegria, de maneira que, com o seu clamor, parecia fender-se a terra. Adonias e todos os convidados que com ele estavam o ouviram, quando acabavam de comer; também Joabe ouviu o sonido das trombetas e disse: Que significa esse ruído de cidade alvoroçada? Estando ele ainda a falar, eis que vem Jônatas, filho de Abiatar, o sacerdote; disse Adonias: Entra, porque és homem valente e trazes boas-novas. Respondeu Jônatas e disse a Adonias: Pelo contrário, nosso senhor, o rei Davi, constituiu rei a Salomão. E Davi enviou com ele a Zadoque, o sacerdote, e a Natã, o profeta, e a Benaia, filho de Joiada, e aos da guarda real; e o fizeram montar a mula que era do rei. Zadoque, o sacerdote, e Natã, o profeta, o ungiram rei em Giom e dali subiram alegres, e a cidade se alvoroçou; esse é o clamor que ouviste. Também Salomão já está assentado no trono do reino. Ademais, os oficiais do rei Davi vieram congratular-se com ele e disseram: Faça teu Deus que o nome de Salomão seja mais célebre do que o teu nome; e faça que o seu trono seja maior do que o teu trono. E o rei se inclinou sobre o leito. Também disse o rei assim: Bendito o SENHOR, Deus de Israel, que deu, hoje, quem se assente no meu trono, vendo-o os meus próprios olhos. Então, estremeceram e se levantaram todos os convidados que estavam com Adonias, e todos se foram, tomando cada um seu caminho”.

1 Reis 1.39-49

Uma celebração arruinou a outra celebração.

Enxerguemos a guerra através de novos olhos

Deus estabeleceu a antítese no início da história humana:

“Porei inimizade entre ti e a mulher, entre a tua descendência e o seu descendente. Este te ferirá a cabeça, e tu lhe ferirás o calcanhar”.

Gênesis 3.15

Portanto, há um constante estado de guerra entre a semente da mulher e a semente da serpente. O Senhor Jesus esmagou a cabeça da serpente em sua crucificação e ressurreição, mas por sua graça Ele nos permite participar dessa luta:

“E o Deus da paz, em breve, esmagará debaixo dos vossos pés a Satanás. A graça de nosso Senhor Jesus seja convosco”.

Romanos 16.20

Ele esmaga o maléfico adversário, ferindo-o sob seu calcanhar. Contudo, devemos lembrar que, como seu corpo, somos esse calcanhar:

“E pôs todas as coisas debaixo dos pés, e para ser o cabeça sobre todas as coisas, o deu à igreja”

Efésios 1.22

Nosso Senhor Jesus ainda nos prometeu que neste conflito, as portas do inferno nunca prevaleceriam contra nós:

“Também eu te digo que tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha igreja, e as portas do inferno não prevalecerão contra ela”.

Mateus 16.18

Em Mateus 16.18 temos um detalhe importante: os portões do inferno não são uma arma ofensiva. Não estamos sitiados pelos portões do inferno. Nós é que somos os sitiantes. Não estamos cuidando do nosso castelo sitiado, lutando desesperadamente até finalmente perecermos. Pelo contrário. Nós é que empurramos as portas do inferno.

Mas, isso não significa que nossa guerra seja fácil. Longe disso. Os primeiros homens a subir as escadas de escalada podem achar a luta bem quente no topo da parede. Mas é o topo de sua parede.

Anunciemos a morte do Senhor até que ele venha

Todo sermão fiel que declara Cristo como Salvador e Senhor é uma proclamação, mas não apenas para os crentes reunidos enquanto adoram. A mensagem também é para os incrédulos, bem como para todos os principados e potestades. Cada vez que celebramos a Ceia do Senhor (e aqui temos mais outra razão por que devemos fazê-lo a cada sete dias), proclamamos a morte vicária que conquista o mundo inteiro (1 Coríntios 11.26).

E toda vez que abrimos nossa boca e nossos saltérios para cantar, queremos fazê-lo de uma maneira que todos os reis ímpios da terra, assim como Adonias, possam ouvir, se estremecer e com todos os convidados se retirar, tomando cada um seu caminho.

O que é que vence o mundo? Não é a nossa fé (1 João 5.4)?

Tudo para Cristo, por toda vida, por todo o sempre!

Rev. Alan Kleber

Instruções para o Culto Cristão

por Rev. Alan Kleber

O momento do culto solene que prestamos ao Senhor da Igreja, deve ser cheio de reverência e muito respeito. Todos os membros devem procurar dar exemplo de reverência aos seus filhos bem como também aos nossos visitantes. Portanto, anote e decore bem as seguintes orientações pastorais: A Ele, pois, a glória eternamente. Amém! Rev. Alan […]

O Peso da Eterna Glória

por Rev. Alan Kleber

Em Memória de Herta Araújo Oliveira Rodrigues (*01.03.1939 – †22.11.2023) Herta e sua filha especial, Ana Paula A Bíblia diz que somos frágeis filhos do pó, tão fracos como frágeis. Isto contém dois elementos de verdade bíblica que quero enfatizar na pastoral desta semana. A primeira delas, é que somos realmente frágeis filhos do pó. […]

Vivendo para Sempre a Unidade em Amor

por Rev. Alan Kleber

Em Memória de Leonardo Souza Santana (*16.02.1948 – †14.11.2023) “Oh! Como é bom e agradável viverem unidos os irmãos! É como o óleo precioso sobre a cabeça, o qual desce para a barba, a barba de Arão, e desce para a gola de suas vestes. É como o orvalho do Hermom, que desce sobre os […]

A Tirania e os Ídolos

por Rev. Alan Kleber

Um dos motivos por que temos dificuldade em lidar realisticamente com o problema do mal neste mundo é que de antemão produzimos caricaturas do mal em nossas mentes. Logo, quando alguém diz a palavra “tirania”, imaginamos exércitos marchando, desfiles de mísseis e tanques e toda a poderosa pompa militar. Porém, quando algo de fato ruim […]

FELIZ DIA DA REFORMA

por Rev. Alan Kleber

Hoje comemoramos 506o aniversário da gloriosa Reforma Protestante. A história da Igreja está sempre entrelaçada e nunca podemos abordá-la de maneira simplista. Mas, com todas esses descontos feitos, a Reforma foi uma grande obra do Espírito Santo, e estamos certos em lembrá-la e celebrá-la. Entretanto, tenhamos o cuidado de nos lembrar disso corretamente. TEXTO BÍBLICO […]

PENSAMENTO E PRÁTICA DE CALVINO SOBRE MISSÕES

por iparacaju

Estamos no mês em que comemoramos a Reforma Protestante, e ao falar sobre esse assunto, lembramos de alguns servos de Deus que atuaram dedicadamente nesse período. Um desses homens foi o grande reformador João Calvino, o qual escreveu muito conteúdo teológico, como as Institutas da Religião, comentários bíblicos, e outros mais.  Por seus escritos é […]

Como Ouvir Sermões?

por Rev. Alan Kleber

A Responsabilidade da Congregação de Ouvir e Atender a Mensagem Proclamada Em geral, a maioria dos membros de uma igreja local acredita que a sua participação na adoração corporativa se limita apenas ao momento da leitura em conjunto da Bíblia, ou do cântico congregacional de salmos ou hinos de louvor. Na verdade, eles pensam não […]

O Poder do Chamado à Adoração

por Rev. Alan Kleber

Salmo 97 Muitos dos problemas que confrontam os cristãos modernos é que eles tentam diligentemente fazer a coisa certa… nas categorias erradas. Eles tentam dedilhado de guitarra em um cavaquinho; eles tentam as regras do xadrez em um tabuleiro de damas; eles aplicam as regras da gramática portuguesa ao inglês. E para nós, chamar a […]

Uma Revolução Litúrgica

por Rev. Alan Kleber

O culto das igrejas reformadas foi claramente revolucionário, e ao mesmo tempo restaurador. Roland Bainton diz que Martinho Lutero provou ser “muito conservador” em assuntos litúrgicos. Ainda assim, ele viu as implicações da nova teologia desde o início, escrevendo em 1520 no famoso O cativeiro babilônico da Igreja sobre a necessidade (à luz das doutrinas […]

Quando nossos homens cantarem novamente

por Rev. Alan Kleber

Tudo que tem vida louve ao Senhor! Louve ao Senhor! Salmo 150.6 A ordem para louvar a Deus é difundida em toda a Escritura. No versículo acima, o Espírito chama todas as coisas com fôlego para louvar ao Senhor. A canção também é claramente apresentada em toda a Escritura e é uma marca característica da […]