A Oração muda as Circunstâncias

A Palavra de Deus nos oferece de forma prática o ensino sobre a doutrina da oração. Existem literalmente na Bíblia centenas de passagens que provam que a oração muda as circunstâncias da vida humana. Meditemos hoje sobre uma delas, especialmente poderosa. Aquela sobre a vida do Profeta Elias em 1 Reis 17:17–24, onde encontramos o relato de um fato impressionante sobre a viúva com quem Elias se hospedou e para quem Deus providenciou água e comida durante a grande seca que Ele mesmo desencadeou como julgamento sobre Israel durante o reinado do rei apóstata, Acabe:

“Depois disto, adoeceu o filho da mulher, da dona da casa, e a sua doença se agravou tanto, que ele morreu. Então, disse ela a Elias: Que fiz eu, ó homem de Deus? Vieste a mim para trazeres à memória a minha iniqüidade e matares o meu filho? Ele lhe disse: Dá-me o teu filho; tomou-o dos braços dela, e o levou para cima, ao quarto, onde ele mesmo se hospedava, e o deitou em sua cama; então, clamou ao SENHOR e disse: Ó SENHOR, meu Deus, também até a esta viúva, com quem me hospedo, afligiste, matando-lhe o filho? E, estendendo-se três vezes sobre o menino, clamou ao SENHOR e disse: Ó SENHOR, meu Deus, rogo-te que faças a alma deste menino tornar a entrar nele. O SENHOR atendeu à voz de Elias; e a alma do menino tornou a entrar nele, e reviveu. Elias tomou o menino, e o trouxe do quarto à casa, e o deu a sua mãe, e lhe disse: Vê, teu filho vive. Então, a mulher disse a Elias: Nisto conheço agora que tu és homem de Deus e que a palavra do SENHOR na tua boca é verdade.”

Observe, primeiro, que a oração muda as circunstâncias. Deus enviou uma grande seca sobre Israel porque Elias havia orado por isso. Acabe era o rei, e junto a sua esposa Jezabel, ambos eram apóstatas e idólatras. Elias era o profeta de Deus e, portanto, conhecia as maldições do Pacto, as quais ameaçavam que, se o povo de Deus apostatasse, o Senhor fecharia os céus para que não mandassem chuva (Dt 28:23-24). Em outras palavras, Elias orou e declarou as ações de Deus de acordo com a Sua vontade revelada.

Pense sobre este fato. Elias não precisou ponderar qual era a vontade de Deus, pois ele já sabia qual era a vontade de Deus. Se o povo de Deus se afastasse dele, sua promessa seria puni-los de uma maneira muito específica. Elias orou para que Deus fizesse exatamente isso. Elias orou para que Deus agisse de acordo com Sua Palavra. Essa é sempre uma oração segura para se fazer: orar a vontade de Deus revelada na Bíblia.

Como resultado da seca, havia pouca comida e água. Deus conduziu Elias à casa da viúva e de seu filho, e milagrosamente cuidou dela para que pudesse sustentar o profeta. Depois de algum tempo, o filho dessa viúva fiel adoeceu e morreu, e nós podemos imaginar como ela ficou triste e, de fato, como ficou ressentida com Elias, a quem Deus havia enviado para supostamente julgar sua casa (v. 18). Elias também ficou profundamente abalado. Por que Deus desencadearia essa tragédia? (vv. 19, 20).

Orações predestinatórias

Agora, olhemos para um fato notável. Ao observar a morte desse menino e ao ver a dor de sua mãe, Elias não fez uma “oração predestinatória”. Ele não orou: “Senhor, tu permitiste que esta preciosa criança morresse e, obviamente, esta é a sua vontade, então nós a aceitamos”. Ele também não encorajou aquela mãe a simplesmente aceitar a morte do filho como a vontade de Deus. Elias aparentemente não acreditava que seria piedoso, que honraria a Deus, permitir que aquele menino continuasse morto. Elias recusou-se a aceitar o status quo como a vontade de Deus.

Elias sabia que a oração muda tudo. E aqui temos uma importante lição para nós como cristãos: se aceitamos constantemente o status quo como a vontade predestinada de Deus (seus decretos eternos), jamais seremos homens e mulheres poderosos na vida de oração. Por vezes estamos tão preocupados em violar os decretos secretos de Deus que viramos as costas para a Palavra revelada de Deus.

Somos melhores pais do que Deus?

O Senhor é um Deus todo-poderoso, que ouve nossas orações e anseia, como um Pai celestial, fazer coisas boas para seu povo. A Bíblia ensina isso claramente em Mateus 7:11:

“Ora, se vós, que sois maus, sabeis dar boas dádivas aos vossos filhos, quanto mais vosso Pai, que está nos céus, dará boas coisas aos que lhe pedirem?”

Sim, às vezes Deus permite que “coisas ruins aconteçam a pessoas boas” (lembre-se de Jó), mas não é assim que Ele opera na maioria das vezes. Ele é um Pai amoroso e celestial para seus filhos, e assim como desejamos fazer coisas boas para os nossos filhos, Ele também deseja fazer coisas boas para Seus filhos. Ou será que acreditamos que somos melhores pais do que Deus?

Portanto, tenhamos muito cuidado ao usar os conselhos secretos de Deus como desculpa para não pedir a Deus em nossas orações. Eles são chamados de conselhos secretos de Deus por uma razão: Não podemos conhecê-los. Vamos orar de acordo com o que sabemos, e não de acordo com o que não sabemos. E que nós sabemos? Que Deus é um Pai amoroso e bondoso que deseja alegrar os corações de Seus filhos. Sim, a Bíblia diz que oração muda as circunstâncias. Ela mudou as circunstâncias daquela pobre viúva em Sarepta. Ela pode mudar tudo.

Em Cristo,

Rev. Alan Kleber

Quando nossos homens cantarem novamente

por iparacaju

A ordem para louvar a Deus é difundida em toda a Escritura. No versículo acima, o Espírito chama todas as coisas com fôlego para louvar ao Senhor. A canção também é claramente apresentada em toda a Escritura e é uma marca característica da vida e presença do Espírito dentro do corpo de Cristo (Colossenses 3.16, […]

O que fazemos no Dia do Senhor? (Parte 4)

por iparacaju

Qual é o propósito da assembleia do Dia do Senhor? Por que vamos a um culto na igreja no domingo? Nossas pastorais dominicais nos convidam a refletir sobre o que a Bíblia ensina sobre o assunto. Na pastoral anterior, aprendemos que seria difícil provar pelas Escrituras que o propósito principal da assembleia corporativa quando se […]

O que fazemos no Dia do Senhor? (Parte 3)

por Rev. Alan Kleber

Qual é o propósito da assembleia do Dia do Senhor? Por que vamos a um culto na igreja no domingo? Existem pelo menos quatro perspectivas populares sobre o propósito do culto no Dia do Senhor.  Na pastoral anterior, vimos que na adoração que acontece no céu, as hostes celestiais não estão sentadas como exércitos de […]

O que fazemos no Dia do Senhor? (Parte2)

por Rev. Alan Kleber

Qual é o propósito da assembleia do Dia do Senhor? Por que vamos a um culto na igreja no domingo? Na pastoral anterior, vimos que há uma dimensão evangelística genuína na liturgia do Dia do Senhor. O Evangelho é incorporado na liturgia e pregado no sermão. Contudo, não é dirigido principalmente aos que estão fora […]

O que fazemos no Dia do Senhor?

por Rev. Alan Kleber

Qual é o propósito da assembleia do Dia do Senhor? Por que vamos a um culto na igreja no domingo? A resposta a estas perguntas-chave ajudará a explicar por que certas palavras e ações são incluídas na adoração do povo pactual e determinará também a maneira como o culto é ordenado do começo ao fim. […]

Como adorar a Jesus Cristo?

por iparacaju

O apóstolo Paulo queria cantar no Espírito, mas também queria cantar com a mente (1Co 14.15). De maneira semelhante, semana após semana nos reunimos para adorar a Deus o Pai em nome de Jesus Cristo, capacitados pelo Espírito de Deus. Entretanto, é importante que entendamos o que estamos fazendo e por que estamos fazendo isso. […]

O que a adoração de fato realiza?

por Rev. Alan Kleber

Em nossa adoração ascendemos aos lugares celestiais e lá nos encontramos com nosso Deus (Hebreus 12.22). Porém, essa adoração celestial não é algo que de alguma forma fugiu com medo do inimigo na terra. Ao contrário disso, como o livro do Apocalipse nos revela com grande riqueza de detalhes, a adoração dos santos no céu […]

A Nova Criação Consumada

por Rev. Alan Kleber

O cristianismo afirma a ordem material. Na criação, Deus fez o mundo físico (Gn 1) e o homem com um corpo tangível (Gn 2.7). Na redenção, Deus efetua a encarnação de Cristo (Hb 2.14) e Sua ressurreição física (Lc 24.39). Não devemos nos surpreender, então, que mesmo na consumação voltaremos a habitar corpos físicos (Jo […]

A Nova Criação no Apocalipse

por Rev. Alan Kleber

Em Apocalipse 21 lemos sobre a gloriosa nova criação: “Vi novo céu e nova terra, pois o primeiro céu e a primeira terra passaram, e o mar já não existe. Vi também a cidade santa, a nova Jerusalém, que descia do céu, da parte de Deus, ataviada como noiva adornada para o seu esposo” (Apocalipse […]