O Socorro do Crente (Salmo 121)

Amada congregação,

Na pastoral passada refletimos sobre o salmo 120, o qual abre os salmos conhecidos como “Cânticos de peregrinação”. Como vimos na pastoral anterior, os cânticos de peregrinação são compostos por diferentes tipos de salmos, pois entre eles estão os de lamentação individual (Salmo 120), e outros tipos como os de confiança (Salmo 121) por exemplo.

O salmo 121 demonstra a confiança do salmista no Senhor “que fez o céu e a terra”, pois ele fala que o Senhor é o seu auxílio (vs.1,2), sua segurança (vs. 3,4), sua proteção (vs. 5,6), e por fim, aquele que o preserva (vs. 7,8).

O salmista começa falando sobre sua ação, que foi a de elevar os olhos para os montes. Uma pergunta que surge é a seguinte: Por que olhar para os montes? O que esses montes representavam para os peregrinos? A cidade de Jerusalém era cercada por montes/colinas, os quais eram vistos pelos que peregrinavam rumo a Jerusalém. Para alguns teólogos, os montes representavam perigo, para outros, confiança.

No que se refere ao perigo, afirma-se que poderia haver saqueadores escondidos nos montes, o que representava um perigo iminente para os peregrinos. Quanto a possibilidade de os montes representarem confiança, afirma-se que os montes/colinas “inspiravam em muitos o senso de confiança”.  

Se os montes representavam perigo ou confiança, a pergunta do salmista continua ecoando em busca de uma resposta, pois ele diz: De onde me virá o socorro?

O próprio salmista responde à pergunta dizendo: “O meu socorro vem do Senhor que fez os céus e a terra”. A expressão “que fez o céu e a terra” é uma referência a Gn 2.4 e Êx 20.11, que diz: “Esta é a gênese dos céus e da terra quando foram criados, quando o Senhor Deus os criou” (Gn 2.4); “porque, em seis dias, fez o Senhor os céus e a terra, o mar e tudo o que neles há” (Êx 20.11).

Ao lançar mão desses textos bíblicos, o salmista quis dizer que o Deus de Israel tem poder ilimitado e universal. O salmista está mostrando que o Deus pactual não desampara os seus peregrinos em sua jornada, pois dele vem o socorro.

“O Deus pactual de Israel é seu ajudador, cujo poder criativo como Criador do céu e da terra é uma garantia de sua capacidade de ajudar seu povo. O Criador de todas as coisas é capaz de condescender-se em saciar suas necessidades”.

É com base nessa certeza de que o Senhor é o socorro do crente, que o salmo tem o seu desenvolvimento com palavras afirmativas.

Nesse salmo de confiança, fica evidente que o Senhor é o nosso socorro, pois ele é o guardião de nossas vidas. Ele guarda nos guarda desde as pequenas coisas até as grandes coisas, ou seja, ele nos guarda desde as circunstâncias mais simples da nossa vida, até as mais complexas.

O crente está em uma jornada de peregrinação em direção a Jerusalém celestial. E nessa peregrinação, ele passa por perigos, pois em muitas circunstâncias da vida diária do crente, ele se sente como se estivesse sendo assaltado pelas preocupações e ansiedades desta vida. Há situações em que o crente é tentado a colocar sua confiança nas promessas humanas, nas riquezas, em coisas que não tem fundamento sólido. Mas, à semelhança do salmista, ele sabe que mesmo diante de situações de perigo e sofrimento, sua confiança deve estar no Senhor que criou os céus e a terra, ou seja, no Deus pactual, o qual não desampara os seus peregrinos que sofrem constantes ameaças nesse mundo. O crente sabe que somente do seu Deus vem seu socorro, e é por causa desse socorro que ele chegará à Jerusalém celestial.

A Igreja de Cristo peregrina nesse mundo em direção a Jerusalém, e essa peregrinação da Igreja ao longo dos séculos vem sendo marcada pela confiança no Senhor Jesus, o qual derramou seu sangue para resgatá-la da escravidão do pecado, para que esta siga firme em sua peregrinação confiando nele, o qual recebeu toda autoridade no céu e na terra, e disse que está com sua Igreja todos os dias, até a consumação dos séculos.

Portanto, amados irmãos, afirmemos juntamente com o salmista: “O meu socorro vem do Senhor, que fez o céu e a terra”.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

HARMAN, Allan. Comentários do Antigo Testamento: Salmos. São Paulo: Cultura Cristã, 2011.

SPURGEON, Charles H. Devocional Manhã & Noite. Edição do Kindle. 

Como adorar a Jesus Cristo?

por iparacaju

O apóstolo Paulo queria cantar no Espírito, mas também queria cantar com a mente (1Co 14.15). De maneira semelhante, semana após semana nos reunimos para adorar a Deus o Pai em nome de Jesus Cristo, capacitados pelo Espírito de Deus. Entretanto, é importante que entendamos o que estamos fazendo e por que estamos fazendo isso. […]

O que a adoração de fato realiza?

por Rev. Alan Kleber

Em nossa adoração ascendemos aos lugares celestiais e lá nos encontramos com nosso Deus (Hebreus 12.22). Porém, essa adoração celestial não é algo que de alguma forma fugiu com medo do inimigo na terra. Ao contrário disso, como o livro do Apocalipse nos revela com grande riqueza de detalhes, a adoração dos santos no céu […]

A Nova Criação Consumada

por Rev. Alan Kleber

O cristianismo afirma a ordem material. Na criação, Deus fez o mundo físico (Gn 1) e o homem com um corpo tangível (Gn 2.7). Na redenção, Deus efetua a encarnação de Cristo (Hb 2.14) e Sua ressurreição física (Lc 24.39). Não devemos nos surpreender, então, que mesmo na consumação voltaremos a habitar corpos físicos (Jo […]

A Nova Criação no Apocalipse

por Rev. Alan Kleber

Em Apocalipse 21 lemos sobre a gloriosa nova criação: “Vi novo céu e nova terra, pois o primeiro céu e a primeira terra passaram, e o mar já não existe. Vi também a cidade santa, a nova Jerusalém, que descia do céu, da parte de Deus, ataviada como noiva adornada para o seu esposo” (Apocalipse […]

– A Nova Criação –

por Rev. Alan Kleber

R.J. Rushdoony 1 Vi novo céu e nova terra, pois o primeiro céu e a primeira terra passaram, e o mar já não existe. 2 Vi também a cidade santa, a nova Jerusalém, que descia do céu, da parte de Deus, ataviada como noiva adornada para o seu esposo. 3 Então, ouvi grande voz vinda […]

A Confissão Litúrgica

por Rev. Alan Kleber

Uma ênfase importante na vida cristã prática é a importância da confissão dos nossos pecados diante de Deus. Nossa congregação sempre ensinou (e continua ensinando) que a confissão nada mais é do que uma atitude sincera de total honestidade diante de Deus, e que tal honestidade deve ser sempre contínua e imediata diariamente. Entretanto, por […]

Salmo 149

por Rev. Alan Kleber

 – Uma Convocação para a Vitória – Houve um tempo em que o Salmo 149 era muito usado pelos cristãos em meio ao perigo e a guerra. Mesmo admitindo que às vezes até mesmo hereges o usavam para o mal, permanece o fato de que todos os que o usaram tinham neste ponto, uma consciência […]

Você é pessimista quanto ao futuro?

por Rev. Alan Kleber

O único sentido universal que vem com cada dia de Ano Novo é o passar do tempo. Embora estejamos cientes da passagem de mais um ano, essas lembranças particulares dão lugar ao reconhecimento público a cada ano que se inicia. Parte de nossa consciência do tempo é resultado da maldição proveniente da queda dos nossos […]

O Presente Inefável

por Rev. Alan Kleber

Uma Teologia para os Presentes de Natal Estamos mais uma vez vivenciando este maravilhoso tempo do Advento, e nada melhor do que refletir um pouco sobre a teologia dos presentes de Natal. Todos os anos muitos de nós gastamos boa parte do nosso tempo neste aspecto das celebrações natalinas, e por essa razão, deveríamos nos […]