O Caminho da Verdadeira Felicidade

Em muitos aspectos, o Salmo 1 é uma introdução para todos os outros salmos. No espaço de poucos versículos, temos diante de nós todo o espectro da vida justa e injusta. Embora nem todas as palavras sejam ditas, as questões fundamentais da vida estão todas em resumo aqui.

O Texto

Bem-aventurado o homem que não anda no conselho dos ímpios, não se detém no caminho dos pecadores, nem se assenta na roda dos escarnecedores. Antes, o seu prazer está na lei do SENHOR, e na sua lei medita de dia e de noite. Ele é como árvore plantada junto a corrente de águas, que, no devido tempo, dá o seu fruto, e cuja folhagem não murcha; e tudo quanto ele faz será bem-sucedido. Os ímpios não são assim; são, porém, como a palha que o vento dispersa. Por isso, os perversos não prevalecerão no juízo, nem os pecadores, na congregação dos justos. Pois o SENHOR conhece o caminho dos justos, mas o caminho dos ímpios perecerá (Salmo 1:1-6).

Interpretação

Verso 1. Há um grande contraste aqui. O salmista nos mostra que há dois, e apenas dois, modos de se viver. O primeiro tipo de homem é ricamente abençoado. A frase traduzida como “Bem-aventurado o homem” poderia literalmente ser traduzida como “Ó, as bem-aventuranças do homem…”. O poeta nos ensina que neste mundo caído, a felicidade genuína é uma possibilidade real, e ela nos é oferecida por Deus em Sua graça.

Primeiro, este homem abençoado é descrito de forma negativa. O homem abençoado é aquele que não faz determinadas coisas que o Senhor para não fazer. O começo da bem-aventurança é uma compreensão da antítese. Sem esta sabedoria, sem esta antítese, tudo se torna borrado e manchado, incluindo a diferença entre felicidade e miséria.

Em segundo lugar, vemos que o pecado progride. Podemos identificar um movimento natural aqui: andar, parar e sentar. O que seria igual ao comprometimento, flerte e lealdade. O homem abençoado não tem relação com a sabedoria dos tolos; ele rejeita o conselho dos ímpios. A preocupação do salmista aqui é com o ensino, a filosofia, a sabedoria daqueles que não caminham com Deus. Isso não termina aqui, mas começa aqui. Os ímpios dizem: olhe, aqui está a verdadeira sabedoria. Exemplos não são difíceis de encontrar – psicoterapia popular, cientificismo ou programas de TV moralizadores. O conselho ímpio, o caminho dos pecadores e o assento dos escarnecedores são todos contrários à lei de Deus.

Verso 2. Mas o homem piedoso não apenas evita o que é ímpio. Isso por si só seria mero moralismo. Se não começarmos com a antítese, logo pertenceremos ao partido do diabo. Se vivermos por uma antítese truncada, evitando coisas que são “más”, logo nos encontraremos como os fariseus, pertencendo ao partido do diabo.

O homem piedoso encontra verdadeiro prazer na Lei do Senhor. A Palavra de Deus o encanta. Ele não consegue superá-la. Ele a lê repetidamente. Ele medita constantemente sobre ela – dia e noite. A palavra aqui para “medita” vem de “murmurar” ou “sussurrar”. Este homem se deleita na lei de Deus a tal ponto que o encontramos falando baixinho consigo mesmo sobre ela.

Verso 3. Qual é o resultado? Ele é como uma árvore plantada junto às águas. Note primeiro que ele é plantado. Ele não fez isso por si mesmo. Dado isso, sua folha não murcha, e seu fruto é produzido na estação certa. Agora, qual é a natureza do seu fruto? Este trecho diz que inclui tudo o que ele faz. A Bíblia nos ensina que a prosperidade temporal deve ser subordinada em nossos corações à prosperidade espiritual, mas a Bíblia não os coloca necessariamente em conflito um com o outro.

Considere o que Paulo ensina em 1 Timóteo 4:7-8. Para o homem justo, como regra geral, tudo o que ele faz prospera: “Exercita-te, pessoalmente, na piedade. Pois o exercício físico para pouco é proveitoso, mas a piedade para tudo é proveitosa, porque tem a promessa da vida que agora é e da que há de ser.”

Verso 4. Então, seja qual for a condição dos piedosos, os ímpios não são assim. Há realmente apenas duas maneiras de viver. Uma maneira é viver como a palha. Uma árvore é enraizada e frutífera. Mas se pensarmos na palha, poucas coisas poderiam ser encontradas que são mais claramente sem raiz. Não apenas isso, mas a palha também é sem valor, e o vento a leva embora. Quem a quer?

Verso 5. É um erro grave assumir que os santos do Antigo Testamento não sabiam nada do juízo final. Aqui a grande congregação de todos os santos é reunida por Deus. Os ímpios não permanecerão ali; eles caem no juízo. Estes são aqueles que estavam no caminho dos pecadores, e por isso não prevalecerão no juízo final.

Verso 6. Deus conhece a diferença entre o trigo e a palha. Encontramos aqui o motivo que muitos têm para negar a onisciência de Deus – seja praticamente ou doutrinariamente. Deus conhece o caminho dos justos, e sabemos disso que o caminho dos ímpios perecerá.

Aplicações práticas

O que devemos fazer? Como devemos viver?

1. Devemos ler todos os salmos, cantar todos os salmos, meditar sobre todos os salmos, sussurrar sobre todos os salmos, com esta antítese em mente: “Bem-aventurado é o homem que não anda, para e se senta com os ímpios.

2. Devemos rejeitar o conselho dos ímpios. Não devemos ouvir essas pessoas. Elas rejeitam a Palavra de Deus; que sabedoria poderiam ter?

3. Devemos nos entregar às Escrituras. Pense em algo, qualquer coisa, que você realmente se deleite. Como você se comporta em relação a essa coisa? Agora compare isso com sua abordagem à Palavra. Meditar na Lei do Senhor tem sido o seu maior prazer?

4. Devemos buscar a bem-aventurança. Deus prospera o trabalho daqueles que o temem. Busque este tipo de prosperidade e não aceite outro tipo.

5. Lembre-se do dia do juízo. Deus conhece e considera cada passo que damos. Ele sabe em que caminho estamos. Ele trará tudo para julgamento. Devemos lembrar desta verdade gloriosa do Salmo 1 e temer ainda mais ao nosso Deus.

6. Não há caminho perfeito longe de Cristo, pois Ele é o homem perfeito do Salmo 1. Nem o salmista ou santo da Bíblia conseguiu alcançar a plenitude prometida nesse salmo. Somente Jesus Cristo cumpriu perfeitamente a antítese abençoadora da bem-aventurança divina. Por isso, o Salmo 2 diz que “Bem-aventurados todos os que nele se refugiam”.

Nele, que nos faz bem-sucedidos,

Rev. Alan Kleber

Boas Palavras

por iparacaju

Sermões sobre o uso da língua podem facilmente fazer com que todo cristão responda com algum tipo de “Ah, veja bem! Não é bem assim”. Todos nós sabemos quão prontamente pecamos com a língua, e se um pregador almeja a convicção, é bastante fácil atingir esse alvo através da pregação sobre os “pecados da língua”. […]

A ASSEMBLEIA DE WESTMINSTER E MISSÕES

por iparacaju

Na pastoral sobre o pensamento e prática de Calvino acerca da Grande Comissão, ficou evidente que o reformador buscou cumprir com afinco a ordem de Cristo em Mt 28.16-20. Seu pensamento teve grande influência ao longo dos anos chegando aos teólogos que compuseram a Assembleia de Westminster, os quais produziram os Símbolos de Fé de […]

Pão e Vinho

por iparacaju

Alegria e transformação Texto: Mateus 13.33 Amada Congregação, Como se a teologia eucarística por si só já não fosse difícil o suficiente, nossas modernas tradições ainda criaram questões adicionais. De fato, temos algumas tradições complicadoras. Por essa razão, questões aparentemente simples sobre o assunto necessitam sempre de atenção e profunda reflexão. O que a Bíblia […]

Servi ao SENHOR com Alegria

por Rev. Alan Kleber

Um Salmo para um Novo Ano A verdadeira adoração vem de corações verdadeiros, e corações verdadeiros transbordam de alegria. Essa alegria pode ser solene, como acontece em um casamento (solempnis), ou pode ser jubilosa, como acontece depois de uma batalha vitoriosa. Mas, ele nunca deve ser é taciturna, ranzinza ou mal-humorada. Quem precisa desse tipo […]

O Presente Inefável

por iparacaju

Uma Teologia para os Presentes de Natal Estamos mais uma vez vivenciando este maravilhoso tempo do Advento, e nada melhor do que refletir um pouco sobre a teologia dos presentes de Natal. Todos os anos muitos de nós gastamos boa parte do nosso tempo neste aspecto das celebrações natalinas, e por essa razão, deveríamos nos […]

Nossos Filhos & a Igreja

por iparacaju

Introdução Este é um período notável na história da nossa congregação. Nunca vimos um crescimento como este antes e todos nós estamos nos acostumando com a nova situação. Claro, aqueles de vocês que se mudaram de outras igrejas e até mesmo do outro lado do país para se juntar a nós – sejam bem-vindos. Num […]

Desde 1901 Adorando ao Senhor

por iparacaju

Acampamento da Família, fevereiro de 2023 Como congregação, crescemos muito ao longo desses 122 anos. Somos muito gratos pelo que Deus nos deu, e somos ainda mais gratos pelo que Ele nos tirou. Pela fé, confiamos que, com o passar dos anos, cresceremos ainda mais profundamente nessa graça que o Senhor nos tem dispensado. O […]

Instruções para o Culto Cristão

por Rev. Alan Kleber

O momento do culto solene que prestamos ao Senhor da Igreja, deve ser cheio de reverência e muito respeito. Todos os membros devem procurar dar exemplo de reverência aos seus filhos bem como também aos nossos visitantes. Portanto, anote e decore bem as seguintes orientações pastorais: A Ele, pois, a glória eternamente. Amém! Rev. Alan […]

O Peso da Eterna Glória

por Rev. Alan Kleber

Em Memória de Herta Araújo Oliveira Rodrigues (*01.03.1939 – †22.11.2023) Herta e sua filha especial, Ana Paula A Bíblia diz que somos frágeis filhos do pó, tão fracos como frágeis. Isto contém dois elementos de verdade bíblica que quero enfatizar na pastoral desta semana. A primeira delas, é que somos realmente frágeis filhos do pó. […]

Vivendo para Sempre a Unidade em Amor

por Rev. Alan Kleber

Em Memória de Leonardo Souza Santana (*16.02.1948 – †14.11.2023) “Oh! Como é bom e agradável viverem unidos os irmãos! É como o óleo precioso sobre a cabeça, o qual desce para a barba, a barba de Arão, e desce para a gola de suas vestes. É como o orvalho do Hermom, que desce sobre os […]